Hérnia umbilical

Hérnia umbilical: o que você precisa saber

O termo hérnia é utilizado para descrever situações em que um órgão interno se desloca, formando uma saliência por baixo da pele. Essa condição pode acontecer em qualquer parte do corpo, inclusive na região do umbigo, sendo chamada de hérnia umbilical.

Embora não seja o tipo mais comum de hérnia, é muito frequente em bebês. Neste post, explicaremos tudo o que você precisa saber sobre esse quadro.

O que é a hérnia umbilical?

Trata-se de um tipo de hérnia que se desenvolve quando as camadas da parede abdominal não se encerram completamente na região do umbigo, promovendo a formação de uma saliência constituída por gordura ou parte do intestino.

Ainda, a hérnia umbilical é muito comum em bebês e surge exatamente no local da cicatriz umbilical. Nesses casos, uma alça intestinal costuma atravessar o tecido muscular. Porém, tendem a desaparecer espontaneamente até o primeiro ano de vida.

Apesar disso, também pode ocorrer em adultos de qualquer idade, sendo mais recorrente nas mulheres. Assim como outros tipos de hérnias da parede abdominal, a umbilical pode ocorrer em razão de um problema congênito ou adquirido.

Quais são os sintomas mais comuns?

O sintoma mais característico de uma hérnia é a presença de uma saliência por baixo da pele na região do umbigo, que aparece quando o indivíduo faz algum tipo de esforço, mas que também pode ser percebida pelo toque. Ademais, os pacientes também podem relatar dor local.

Ainda, quando a hérnia é grande, podem surgir outros sintomas, tais como, náuseas e vômitos ao praticar atividades físicas ou o surgimento de pequenos caroços palpáveis quando o paciente está de pé.

Outrossim, nos bebês, a hérnia umbilical pode não provocar dor. Porém, a criança precisa ser levada ao pediatra para que ele avalie o risco de encarceramento, o que pode colocar em risco a vida do bebê.

Como é causada?

Geralmente, o desenvolvimento deste tipo de hérnia por adultos ocorre em função do aumento da pressão intra-abdominal, sendo a ascite a causa mais comum desse quadro. Porém, existem outros fatores que provocam o enfraquecimento da parede abdominal. São eles:

  • excesso de peso corporal;
  • levantamento recorrente de objetos pesados;
  • prática de atividades físicas de alta intensidade;
  • tosse crônica;
  • constipação;
  • cirurgia abdominal prévia;
  • mais de uma gravidez, especialmente as gemelares.

Como é o tratamento?

A principal alternativa de tratamento da hérnia umbilical é a herniorrafia, um procedimento cirúrgico que pode ser realizado em crianças a partir dos cinco anos. A técnica visa a correção da hérnia e a redução do risco de complicações.

Ainda, a cirurgia pode ser feita por videolaparoscopia ou por via aberta. No primeiro caso, o paciente recebe anestesia geral e são realizadas três pequenas incisões no abdômen para a passagem dos instrumentos cirúrgicos e de uma microcâmera.

Por outro lado, a cirurgia por via aberta exige anestesia peridural e a realização de uma grande incisão no abdômen para que a hérnia seja empurrada para dentro da barriga. Posteriormente, é feita a sutura local. Em alguns casos, o médico pode optar pela colocação de uma tela ou rede de proteção para evitar que a hérnia volte a surgir. 

Enfim, a hérnia umbilical é uma condição que pode se tornar grave e, por isso, o tratamento cirúrgico pode ser necessário. Portanto, caso perceba alguma alteração na região abdominal, procure um médico para ser avaliado.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp