diarreia

Diarreia: quando devo procurar um especialista?

Diarreia: quando devo procurar um especialista?

A diarreia é um problema relativamente comum. A maioria das pessoas já passou por essa condição. É caracterizada pelo aumento do trânsito intestinal e ocorrência de fezes líquidas. Considera-se a condição quando a pessoa evacua mais de três vezes em um período de 24 horas, eliminando fezes aquosas.

Não há apenas um tipo de diarreia. Além disso, essa condição clínica pode ser classificada conforme a duração. Existe a diarreia aguda, que é autolimitada e dura, no máximo, duas semanas. Costuma ser provocada por bactérias e vírus. Há também a diarreia persistente, que permanece de duas a quatro semanas. Por fim, existe a diarreia crônica, que é mais rara e grave, uma vez que excede quatro semanas. Esse tipo atinge de 3 a 5% da população mundial.

Estima-se que pessoas adultas saudáveis tenham, pelo menos, um episódio de diarreia aguda a cada 18 meses. Em boa parte dos casos, o sintoma não é preocupante. Ainda assim, é fundamental ficar atento à evolução do quadro, para identificar o momento de buscar ajuda, caso seja necessário.

Leia o texto a seguir e então conheça as circunstâncias que requerem uma consulta ao especialista para investigar e tratar a diarreia.

Quando a diarreia não passa ou é recorrente

Busque ajuda médica se o problema durar muito tempo ou for muito recorrente. A diarreia crônica pode ser consequência da ingestão de substâncias não absorvíveis, disfunções enzimáticas, crescimento bacteriano, má absorção de sais biliares.

Além disso, infecções não invasivas, tumores, problemas hepáticos e pancreáticos, inflamações, desordens de motilidade e síndrome do intestino irritável são condições de saúde que demandam análise especializada e aprofundada. Dessa forma, justifica-se a necessidade de consultar um especialista.

Quando vem acompanhada de outros sintomas

Nem sempre a diarreia acontece isolada. Redobre a atenção e busque ajuda se a ocorrência de fezes aquosas vier seguida de outras manifestações físicas como, por exemplo, sangue, pus ou muco na evacuação, febre, dor abdominal e vômito. Esses sinais podem incidir por condições variadas, como infecção, intoxicação, inflamação e alguns tipos de câncer. Por isso, é fundamental obter diagnóstico específico.

Quando afeta a rotina e qualidade de vida

Se a frequência evacuatória é tão grande, a ponto de atrapalhar a pessoa em suas atividades rotineiras, é preciso descobrir as causas. Assim, pode-se tratar o quadro adequadamente, para que a qualidade de vida não seja afetada. Se o problema não for tratada apropriadamente, pode resultar em desidratação e irritação da mucosa intestinal. O quadro tende a ser mais grave em crianças, idosos e indivíduos imunossuprimidos.

A fim de diminuir os riscos de complicações, o ideal é procurar auxílio médico se a diarreia não passar, se apresentar sinais suspeitos e se ela chegar  atrapalhar a vida do indivíduo.

Quer saber mais sobre diarreia? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

Posted by Dr. Rodrigo Gui Queiroz in Todos
Como tratar a diarreia crônica

Como tratar a diarreia crônica

Quando você acha que ficou livre dela, ela reaparece como uma convidada indesejada, nas mais inoportunas situações. A diarreia crônica é um problema que atinge um número considerável de pessoas.

Esse problema é tão relevante que pode favorecer, entre outras coisas, o surgimento de transtornos mentais, já que fica difícil levar uma rotina normal, pois uma simples saída com os amigos pode se transformar em um pesadelo.

Saiba mais sobre esse problema em nosso artigo. Continue a leitura!

Causas da diarreia crônica

Antes de citar as causas relacionadas à diarreia persistente, vale diferenciá-la da diarreia comum. A diarreia crônica surge quando a quantidade de evacuações é maior que três vezes ao dia ou a consistência das fezes é mais amolecida que o normal, durante um período maior que quatro semanas.

Esse desajuste pode ser explicado em razão de infecções deflagradas por vírus, bactérias, protozoários ou vermes; síndrome do intestino irritável (SII); doenças inflamatórias intestinais (DII); intolerância ou alergias alimentares; tumores;  uso prolongado de remédios, entre outros fatores.

Tratamento

O tratamento dependerá da causa da diarreia. Se, por exemplo, for alergia ou intolerância a algum grupo alimentar, é preciso suspender o consumo do item nocivo para devolver normalidade ao organismo. Em alguns casos, como em pacientes contaminados pela bactéria Clostridium difficile, uma das mais difíceis de se curar, o uso de antibióticos pode ser uma solução.

No entanto, há alguns cuidados que devem ser tomados independentemente da causa do problema.

Reforce a hidratação!

Uma das consequências da evacuação excessiva e desordenada é, como se pode imaginar, a desidratação, o que pode provocar dores de cabeça, fraqueza, tontura, fadiga, sonolência e desmaio.

Por isso, é comum a todos os tratamentos a necessidade de manter o corpo hidratado, seja por meio da ingestão de líquidos ou de soluções de reidratação oral. Jamais se automedique e, ao perceber qualquer alteração no trânsito intestinal, consulte um médico.

Alimentação

O fator alimentação também precisa ser considerado no tratamento. Sopas e purês de vegetais cozidos, que não estimulam o intestino (abóbora, cenoura, abobrinha, chuchu, batata, batata doce), são boas opções. Mingau de arroz ou milho, arroz cozido, carnes brancas cozidas ou grelhadas e banana são, de modo igual, importantes, já que são de fácil digestão e absorção.

Muitas pessoas, quando se deparam com quadros de diarreia (crônica ou não), simplesmente deixam de comer. Mas isso não é bom, pois são justamente os nutrientes da comida que vão evitar as situações mencionadas, como fadiga.

E por falar em alimentação…

Excluindo os casos em que o indivíduo não exerce controle sobre o surgimento de um problema gastrointestinal, é possível, por meio da alimentação, fazer o intestino funcionar igual a um reloginho e administrar a consistência das fezes, de modo que elas fiquem sempre com aspecto normal.

Sinal de alerta

Se a diarreia crônica vem acompanhada de fezes com sangue de coloração preta ou avermelhada e se elas tiverem aspecto volumoso e com traços evidentes de gordura, que são indicativos de má absorção, sobretudo em crianças e idosos, busque ajuda médica imediatamente.

 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

 

Posted by Dr. Rodrigo Gui Queiroz in Todos