Ressecção do intestino

Entenda o processo de ressecção do intestino

A ressecção intestinal é uma cirurgia que remove parte do intestino delgado, intestino grosso ou ambos. Sendo que o intestino grosso inclui o cólon, o reto e o ânus.

Neste post, entenderemos melhor sobre a ressecção intestinal. Confira!

Por que uma ressecção intestinal é feita?

A ressecção intestinal é realizada para:

  • tratar o câncer no intestino delgado, cólon, reto ou ânus;
  • tratar ou aliviar os sintomas de câncer que se espalharam para o intestino;
  • remover uma obstrução intestinal;
  • remover condições pré-cancerosas (cirurgia profilática);
  • remover partes do cólon, danificadas por doença inflamatória intestinal.

Como é o procedimento de uma ressecção intestinal?

O procedimento é realizado no hospital, sob anestesia geral. Durante a cirurgia, algumas partes do intestino precisam ser mobilizadas. Isto significa que o cirurgião corta as membranas que seguram os intestinos no lugar, para que possam ser movidas e esticadas. Após isso, ele remove a parte doente ou danificada do órgão.

Uma vez que parte do intestino é removida, o cirurgião une as duas extremidades restantes do intestino, usando pontos ou grampeadores. Este procedimento é chamado de anastomose. Quando todo o intestino grosso é removido e a anastomose é feita entre o intestino delgado e o ânus, é denominada anastomose ileoanal. Agora, se está entre o cólon e o ânus, chama-se anastomose coloanal.

Em alguns casos, o cirurgião não une as extremidades dos intestinos. Em vez disso, ele liga uma ou ambas as extremidades a uma abertura no abdômen. Este procedimento é chamado colostomia ou ileostomia (dependendo da parte do intestino usado).

Quais os efeitos colaterais e complicações cirúrgicas?

Os efeitos colaterais e as complicações cirúrgicas da ressecção intestinal são, geralmente, temporários e dependem principalmente do tipo cirurgia e da saúde em geral. Entre eles estão:

  • dor;
  • fadiga;
  • sangramento;
  • coágulos de sangue;
  • diarreia;
  • prisão de ventre;
  • obstrução intestinal;
  • intestino paralisado ou inativo;
  • danos a órgãos próximos, como o intestino delgado, bexiga, ureteres ou baço;
  • vazamento anastomótico;
  • infecção;
  • problemas sexuais (por exemplo, os homens podem ter disfunção erétil e ejaculação retrógrada, e as mulheres sentir dor durante o sexo);
  • incapacidade de controlar a micção;
  • necessidade de urinar frequentemente.

Como é o pós-operatório?

Após uma ressecção intestinal, é necessário permanecer no hospital por alguns dias. O paciente recebe medicamentos para a dor, para mantê-lo confortável. Estes medicamentos, geralmente, são administrados de forma intravenosa.

Nos dois primeiros dias, ficará em jejum ou somente alimentos líquidos serão consumidos. Os sólidos e refeições completas serão introduzidos aos poucos.

Os cuidados pós-operatórios podem variar dependendo do tipo de cirurgia. Em caso de remoção de cânceres, por exemplo, tratamentos adicionais com um oncologista podem ser necessários. Para quem realizou uma colostomia ou ileostomia (remoção do cólon), um profissional especializado determinará quais os cuidados e tempo necessário de repouso.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp