Woman suffering from acid reflux or heartburn, isolated on white background

Refluxo gastroesofágico: conheça as causas e como se prevenir

Dificuldade para engolir, azia, dor no peito e tosse seca são alguns dos sintomas causados pelo refluxo gastroesofágico, também conhecido como RGE.

Trata-se de uma doença digestiva caracterizada pelo retorno do alimento ingerido junto com o ácido gástrico ao esôfago, em vez de dar continuidade ao fluxo da digestão, resultando em dores e inflamações.

De acordo com um estudo feito a pedido da Federação Brasileira de Gastroenterologia, aproximadamente 12% da população brasileira — algo em torno de 22 milhões de pessoas — sofre do problema. Embora a incidência seja em pessoas com mais de 40 anos, em sua maioria homens; a doença também pode afetar jovens e adolescentes.

O que causa o refluxo?

A causa mais comum do refluxo gastroesofágico é o enfraquecimento do esfíncter esofágico inferior, válvula muscular que mantém o estômago fechado, impedindo o retorno do conteúdo gástrico.

O enfraquecimento do esfíncter esofágico está ligado a uma série de fatores, como:

  • genética;
  • obesidade;
  • sedentarismo;
  • maus hábitos alimentares;
  • alimentar e deitar-se em seguida;
  • consumo bebidas alcoólicas e cafeína;
  • gestação;
  • tabagismo.

Em recém-nascidos e bebês, as causas do refluxo são o subdesenvolvimento do esfíncter esofágico ou o relaxamento dele.

A prevenção está na escolha dos alimentos

Para se prevenir do RGE, não há segredo. Basta evitar alguns alimentos que, além de provocarem o refluxo, podem causar outros danos à saúde.

A seguir, confira os tipos de alimentos que devem ser evitados:

  • frituras;
  • carnes vermelhas;
  • cafeína;
  • chocolate;
  • pimenta;
  • bebidas alcoólicas e gaseificadas;
  • frutas cítricas;
  • carboidratos simples.

Os alimentos mencionados contribuem para a lentidão da digestão, prolongando a permanência do alimento no estômago e elevando as chances de refluxo. Eles também aumentam a produção do suco gástrico e causam irritação na mucosa.

Por isso, é importante dar preferência a uma dieta que contenha alimentos como carnes magras, frutas, legumes, leite/derivados desnatados e produtos integrais.

Mas, além de evitar o consumo desses alimentos, é necessário ter outros cuidados, como alimentar-se a cada três horas, em menores quantidades,  e evitar o consumo de líquidos durante a refeição, um erro bastante comum entre as pessoas.

Cuidados que vão além dos alimentos

Apesar de os alimentos serem os principais responsáveis pelo refluxo, existem alguns maus hábitos que também contribuem com a doença.

Deitar-se logo após terminar as refeições é um deles. O ideal é aguardar três horas, pois, quando um indivíduo se deita imediatamente após comer, o esfíncter terá dificuldades para se fechar, uma vez que o estômago se encontra cheio. Em relação ao tabagismo, a nicotina provoca o relaxamento do esôfago, deixando-o “frouxo”.

Outro costume que deve ser evitado, principalmente pelas mulheres, é o uso de roupas e cintos muito apertados.

Se a pessoa não buscar ajuda médica para tratar o refluxo, ela poderá sofrer complicações, tais como ulcerações, dismotricidade esofágica, estenose do esôfago, asma, bronquite e pneumonia.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp