PHmetria

PHmetria: como esse exame é realizado

O exame pHmetria é um procedimento que tem como objetivo medir a acidez dentro do esôfago durante um período de 24 horas e detectar a presença de refluxo, além de também informar quanto tempo esse ácido permaneceu no esôfago. É um exame para diagnóstico da doença do refluxo gastroesofágico (DRGE), e indicado para pessoas com sintomas de refluxo tipicamente chamados de “azia” e refluxo líquido.

A pHmetria do esôfago (esofágica) tem a capacidade de, em regime ambulatorial, identificar a presença do RGE. Com isso, refluxos de material ácido do estômago para o esôfago podem ser registrados no momento em que acontecem. 

PHmetria também permite identificar se esse refluxo foi fisiológico (normal) ou patológico (alterado), em que posição (se em pé, se deitado ou se em ambas) ocorreu predominantemente o RGE e também se os sintomas relatados estão ou não associados ao RGE. Esses dados são utilizados por diversas especialidades dentre elas a gastroenterologia, a cirurgia do aparelho digestivo, a pediatria, a clínica médica, a pneumologia, a cardiologia, a otorrinolaringologia e a neurologia.

Como é realizado o exame de PHmetria

PHmetria começa com o paciente sentado, colocando-se uma sonda de fino calibre através de uma das narinas, que são lubrificadas e anestesiadas. A partir de então, o tubo é empurrado delicadamente até passar pela garganta atingindo o esôfago, e, em seguida, o estômago. Nessa fase da PHmetria pode-se sentir um desconforto passageiro (náuseas), porém uma vez passada a sonda, o esôfago rapidamente se ajusta à ela. 

A partir de então, um pequeno eletrodo de referência (semelhante aos que se utilizam para fazer eletrocardiograma) é fixado em algum ponto da parede anterior do tórax e um cabo elétrico comum à sonda e ao eletrodo é conectado a um aparelho portátil que vai registrar todo o período do exame. Feito isso, a sonda é fixada na narina, passada por trás da orelha de modo a que se posicione o mais discretamente possível. 

O aparelho registrador é então colocado na sua capa e será colocado no paciente através de alça a tiracolo. A seguir o paciente recebe uma folha com um diário onde deve marcar toda e qualquer refeição (incluindo líquidos e até mesmo balas ou doces), anotando o início e o final das mesmas. 

Deve anotar também os períodos em que permaneceu deitado (início e fim de cada um desse períodos), mesmo que tenha sido apenas uma soneca e por fim, deve anotar toda vez que apresentar algum sintoma, discriminando o tipo do sintoma e anotando no diário o tempo em que o mesmo começou. 

Ao término dessa fase o paciente é liberado para suas atividades de um dia normal sem restrições para que o exame possa registrar em que situações do dia acontecem o RGE. É importante lembrar que no período do exame, não se deve praticar esportes (o suor pode fazer com que o eletrodo ou a sonda se desconectem e um possível impacto pode danificar o aparelho) e não se deve tomar banho com chuveiro ou banheira. A higienização deve ser feita com o uso de toalha úmida, evitando-se a área da sonda, do eletrodo e do aparelho registrador.

Indicações para se realizar a manometria esofágica

  • Casos em que o paciente tem sintomas típicos de RGE e a endoscopia não demonstra lesão (esofagite ou complicações do RGE);
  • Quando necessário documentar exposição ácida anormal do esôfago em pacientes com endoscopia negativa e que estejam sendo considerados para cirurgia anti refluxo;
  • Para avaliar pacientes após cirurgia anti refluxo nos quais se suspeita que persista refluxo patológico;
  • Para avaliar pacientes com achados normais e ou equivocados (atípicos) na endoscopia e sintomas de refluxo refratários à terapêutica com Inibidores de Bomba de Prótons (I.B.P.);
  • Para avaliar pacientes com manifestações otorrinolaringológicas (laringite; faringite; pigarro) de DRGE;
  • Quando necessário detectar DRGE em pacientes com dor torácica de origem não cardíaca, após avaliação cardíaca
  • Para documentar DRGE em adultos associada à asma (não alérgica) e outros sintomas respiratórios (tosse crônica; infecções respiratórias de repetição; pigarro).

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp