pedra na vesícula

Entenda a diferença entre cálculo renal e pedra na vesícula

O cálculo renal e a pedra na vesícula são duas enfermidades diferentes, mas geram algumas dúvidas à população. Entender as características, causas e sintomas de cada uma é fundamental para um melhor tratamento em ambos os casos.

Por serem parecidos, os termos causam a confusão. Popularmente, o cálculo renal também é conhecido como pedra nos rins, enquanto a pedra na vesícula é referenciada na área médica como cálculo biliar. Neste artigo você poderá conferir a diferença entre ambas as enfermidades.

Cálculo renal

Os cálculos renais se formam no sistema urinário, que compreende os rins, a bexiga, a uretra e os ureteres. São pequenos cristais sólidos, que se concentram na região – e não apenas no rim, como muitas pessoas convencionam, apesar de ser o órgão de incidência mais comum.

Causas

A falta de hidratação e baixo volume de líquido ingerido causam insuficiência de urina, acumulando minerais no local. Há, ainda, a excreção urinária contendo excesso de minerais como o cálcio e fosfato, além de alguns distúrbios metabólicos do ácido úrico.

Sintomas

A doença só será perceptível quando o organismo tentar livrar os rins dos cálculos renais e estes chegarem até a bexiga e uretra. No próprio rim eles não são sentidos. O principal sintoma é uma cólica renal que pode ser moderada ou muito forte.

Tratamento

Nos cálculos renais, quando o indivíduo não consegue eliminar naturalmente os cristais, o processo é feito através da litotripsia que fragmentará as pedras para a eliminação via urina. Em casos mais graves, com cálculos maiores, é preciso da endoscopia e até cirurgia.

Pedra na vesícula

Incidente na vesícula biliar e/ou nos dutos biliares, esse tipo de cálculo surge a partir de uma aglomeração de cristais na região. A vesícula serve para armazenar e concentrar a bile que será utilizada na digestão e quando ocorrem variações na saturação do colesterol, sais biliares e bilirrubinatos que compõe a bile, podem formar cristais.

Causas

Ainda que os estudos não apontem de forma contundente as causas, a solubilidade dos componentes da bile e do colesterol contribui para os cálculos biliares. Há, ainda, características que aumentam o risco, como mulheres em idade fértil e acima de 40 anos, consumo excessivo de gordura e pouca fibra, obesidade, entre outros.

Sintomas

Assim como os cálculos renais, as pedras na vesícula podem ser assintomáticas. Enjoo e intolerância a alimentos com gordura são as principais formas de constatar a enfermidade.

Tratamento

O procedimento é cirúrgico e, se possível, minimamente invasivo. Busca-se retirar os cálculos biliares, removendo a vesícula biliar. Contudo, o tratamento da pedra na vesícula deve ser avaliado para não comprometer a saúde do indivíduo.

Como saber a diferença

Além das características supracitadas, o cálculo renal e a pedra na vesícula podem ser diferenciados pela dor. A dor do cálculo renal, que atinge o sistema urinário, incide nas costas e do lado em que estão os cálculos. A dor do cálculo biliar  acomete apenas o lado direito do corpo, na região frontal do abdômen.

Ambas as doenças têm tratamento e, por isso, é importante ficar atento aos sintomas e/ou fazer exames – principalmente para identificar os cálculos biliares. Grupos de risco precisam tomar medidas para evitar as doenças.

 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp