obesidade

5 riscos da obesidade na terceira idade

Engana-se quem pensa que obesidade é um problema prevalente apenas entre crianças e adolescentes. Os mais velhos também fazem parte das estatísticas de uma das epidemias mais sérias em todo o mundo.

O ganho de peso excessivo faz mal para todos os indivíduos, porém, na velhice, pode haver complicações e repercussões bem mais sérias.

Derrame

Quanto mais alto o nível de gordura no organismo, principalmente o de gordura visceral, maior a possibilidade de entupimento das artérias em razão do acúmulo de colesterol ruim na corrente sanguínea. E esse é o cenário perfeito para acontecer um acidente vascular cerebral (AVC).

As consequências do AVC no paciente idoso são mais complicadas, com significativas sequelas motoras e tempo de internação maior, fatores que pioram, e muito, a qualidade de vida do indivíduo.

Doenças cardiovasculares

O coração, que na fase da maturidade se encontra naturalmente envelhecido, pode esbarrar com dificuldades para funcionar corretamente em função da obesidade. O índice de massa corporal (IMC) elevado aumenta o risco de infarto, insuficiência respiratória e angina. Para citar o mínimo…

Diabetes e obesidade

Essa é uma dupla quase inseparável. Se tem obesidade, quer dizer que a insulina, o “hormônio chefe” do metabolismo do corpo humano, está fora de ordem. O paciente pode ter pré-diabetes, diabetes ou resistência insulínica, por exemplo.

Na terceira idade, o diabetes é um mal com que muitas pessoas convivem no Brasil. Do continente de 14 milhões de diabéticos, quase um terço têm 65 anos ou mais.

Osteartrose

Ah, aquela dor no joelho que tira a pessoa do sério e faz mudar toda a rotina. Você sabia que a osteoartrose (nome técnico desse incômodo) tem relação (íntima, por sinal) com a obesidade?

As razões são bem óbvias: o excesso de peso sobrecarrega os membros inferiores, alterando a postura corporal e a marcha (caminhada). Outro motivo são as substâncias pró-inflamatórias presentes no tecido adiposo, que exercem efeitos negativos na cartilagem articular.

Na terceira idade, as estruturas ósseas passam por processos de degradação, sendo que a obesidade pode acelerar esse desgaste.

Transtornos mentais

A depressão encabeça a lista. Estudos científicos demonstram cada vez mais a conexão entre obesidade e doenças depressivas. Quando se está acima do peso, a microbiota (flora) intestinal tende a estar desregulada, o que impacta diretamente na produção de serotonina, um dos hormônios do bem-estar.

Uma tese desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Nutrição da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGN-UFSC) investigou a associação entre obesidade, mudanças antropométricas e sintomas depressivos em idosos da cidade de Florianópolis, Santa Catarina.

Uma das constatações foi que os idosos com obesidade severa, em sua grande maioria, eram acometidos por sintomas depressivos. Já aqueles que apresentavam sobrepeso e valores intermediários de circunferência da cintura tiveram menor risco de desenvolverem sintomas depressivos durante os quatro anos.

Prevenção é a palavra-chave

Todos os problemas desencadeados pela obesidade surgem a partir de fatores genéticos e relacionados ao estilo de vida. Na maioria dos casos, o segundo pesa mais. E é aí que entra a importância de seguir hábitos saudáveis: alimentação nutritiva e balanceada, atividade física, controle do stress, sono de qualidade e, não menos importante, manter o cérebro ativo e sempre conhecendo algo novo todo dia.

 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp