obesidade

Obesidade x sobrepeso: você sabe a diferença?

O termo obesidade é muito discutido e, às vezes, pode não estar claro o que significa. Refere-se a alguém que está acima do peso ou tem algum excesso de peso a perder? Ou é mais do que isso? Há uma definição médica de obesidade, bem como para o termo excesso de peso.

A definição médica para excesso de peso é baseada no índice de massa corporal (IMC). O IMC é medido em unidades de kg/m2, o que significa que requer altura e peso para o cálculo. Dessa forma, o excesso de peso é definido por um IMC de 25,0 a 29,9 kg/m2. O peso normal é definido por um IMC entre 18,5 e 24,9 kg/m2. Estar abaixo do peso se define por um IMC menor que 18,5 kg/m2.

Assim como no excesso de peso, a definição médica para obesidade depende do cálculo do IMC. Para ser classificado como obeso, o indivíduo deve apresentar IMC igual ou superior a 30,0. O IMC de 40,0 ou superior é classificado como obesidade mórbida. É, então, recomendado pelas diretrizes nacionais como ponto de corte para identificar indivíduos elegíveis à cirurgia bariátrica.

Deve-se notar, no entanto, que certos atletas altamente musculosos podem apresentar IMC alto devido ao seu maior peso muscular e não à gordura corporal. Assim, o IMC deve fazer parte de uma avaliação clínica maior.

Por que isso importa?

Muitos estudos já mostraram que, à medida que o IMC aumenta, piora a saúde, considerando-se doenças como câncer, cardiovasculares, apneia obstrutiva do sono, diabetes, pressão alta e outras, bem como a morte prematura. A definição clínica de obesidade (IMC de 30,0 ou superior) é, ainda, usada em muitos casos para determinar as opções de tratamento apropriadas.

Em 2013, a American Medical Association (AMA) declarou oficialmente a obesidade como uma doença, reconhecendo o “enorme impacto humanitário e econômico da obesidade como requerendo cuidados médicos, pesquisa e atenção educacional de outras importantes doenças médicas globais”.

Também em 2013, a American Heart Association, o American College of Cardiology e a Obesity Society divulgaram novas diretrizes de obesidade há muito esperadas, que foram publicadas como diretrizes para o gerenciamento de sobrepeso e obesidade em adultos.

Espera-se que o impacto do reconhecimento oficial da obesidade como uma doença crônica não apenas aumente a conscientização do problema entre o público em geral, mas também consiga impactar as políticas em todos os níveis.

Obesidade no Brasil

De acordo com a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgada em 2019 pelo Ministério da Saúde, a taxa de obesidade no país passou de 11,8% para 19,8%, entre 2006 e 2018.

O estudo mostra que, no período, houve alta do índice de obesidade em duas faixas etárias: pessoas com idade que variam de 25 a 34 anos e de 35 a 44 anos. Nesses grupos, o indicador subiu, respectivamente, 84,2% e 81,1% perante 67,8% de aumento na população em geral. A capital com o menor índice de obesidade foi São Luís, com 15,7%. Na outra ponta, está Manaus, com 23% de prevalência.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

Comentários
Dr. Rodrigo Gui Queiroz

Posted by Dr. Rodrigo Gui Queiroz