vesícula

O que acontece se não remover os cálculos na vesícula?

A vesícula exerce papel fundamental no processo de digestão e no armazenamento da bile, substância produzida pelo fígado. Porém, quando se formam cálculos na vesícula, a cirurgia de remoção pode ser o único tratamento eficaz.

Você sabe o que são esses cálculos? Conhece as consequências de não removê-los? Caso não, recomendamos a leitura deste post. A seguir, saiba tudo o que precisa sobre o assunto.

O que são os cálculos na vesícula?

A vesícula biliar é um pequeno órgão localizado junto ao fígado e desempenha a função de reservatório da bile. Essa substância é produzida pelo fígado, composta por colesterol, sais biliares e lecitina.

Quando ocorre um desequilíbrio em sua composição, a bile se torna insolúvel e passa a forma grumos que, consequentemente, evoluem para um cálculo biliar, uma espécie de pedra que pode ter diferentes tamanhos.

Ainda, a depender do local e da quantidade de cálculos, o paciente pode sentir dor abdominal do tipo cólica na região central do abdômen ou abaixo das costelas. Esse sintoma se torna mais acentuado após a ingestão de alimentos.

Porém, o mais comum é que a condição seja assintomática durante anos, o que dificulta o diagnóstico e traz dúvidas sobre a necessidade de realizar a cirurgia.

Quando operar?

Diferente das pedras nos rins, que podem ser quebradas e eliminadas na urina, as pedras na vesícula precisam ser removidas cirurgicamente juntamente com o órgão.  Isso porque a própria formação de cálculos sinaliza que a vesícula não está funcionando corretamente.

Além disso, independente do tamanho das pedras, caso eles saiam da vesícula, podem provocar complicações que evoluem para situações graves. Porém, ainda não há um consenso sobre quando é o momento exato de operar.

Dessa forma, nem todos os pacientes assintomáticos são considerados aptos a realizar a cirurgia de vesícula. De modo geral, é a presença de sintomas que determina a necessidade da cirurgia.

Quais as consequências de não realizar a cirurgia para cálculos na vesícula?

Quando o fígado produz a bile, ele a envia para a vesícula biliar para que armazene a substância. Esse transporte é feito a partir de um ducto que conecta o fígado, a vesícula e o duodeno.

Assim, a formação de cálculos na vesícula pode provocar a obstrução desse canal, infectando a bile e gerando um processo infeccioso agudo. Nesses casos, é necessário realizar uma cirurgia de emergência que tem o risco maior de complicações.

Além disso, o canal da bile desemboca no mesmo local que o canal do pâncreas. Desse modo, pode ocorrer o entupimento de ambos os ductos, provocando uma pancreatite aguda que pode levar o paciente à morte. 

Ademais, outros riscos de não retirar os cálculos da vesícula são:

  • colecistite aguda;
  • coledocolitíase;
  • pancreatite;
  • obstrução intestinal;
  • colangite;
  • papilite;
  • câncer de vesícula.

Por essas razões, a cirurgia de vesícula é um procedimento quase que obrigatório. Porém, existem casos em que a remoção da vesícula é contraindicada, como pacientes com doenças cardiovasculares, cirrose hepática e, em alguns casos, para gestantes. Embora seja um procedimento simples, exige um período de adaptação do organismo.

Enfim, na maioria dos casos sintomáticos e em alguns assintomáticos, a cirurgia para remoção de cálculos na vesícula é essencial. Apenas assim reduz-se o risco de complicações e até de morte do paciente.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp