hepatocarcinoma

Hepatocarcinoma: quais os tratamentos?

Também conhecido como carcinoma hepatocelular (CHC), é o câncer primário do fígado, aquele formado a partir dos hepatócitos, as células deste órgão. 

Cerca de 80% dos cânceres de fígado são deste tipo. Como qualquer tipo de câncer, o hepatocarcinoma é fruto de uma multiplicação desordenada das células causada por uma mutação genética. 

Essa multiplicação não é acompanhada de apoptose, que é a morte controlada das células que possibilita uma reprodução e uma renovação saudável dos tecidos. As principais causas dessa doença são: cirrose proveniente do abuso de álcool, hepatite, uso de determinados anabolizantes,  exposição a infecção aflatoxina e fatores genéticos.

Quais os sintomas?

A maior parte dos sintomas dessa doença estão relacionados ao mal funcionamento do fígado, entre eles: inchaço e dor abdominal, perda de apetite, perda de peso, acúmulo de líquido no abdômen (ascite), inchaço nas pernas, pele e olhos amarelados (icterícia), febre, náuseas e vômitos. 

Qualquer um dos sintomas isoladamente já é motivo suficiente para buscar uma consulta médica, o tratamento é muito mais eficaz quando a doença é diagnosticada em seus estágios iniciais.

Como é diagnosticado?

Para diagnosticar a doença os médicos analisam o histórico familiar do paciente, uma vez que há um fator genético em sua causa. 

Também há uma série de exames clínicos e laboratoriais que auxiliam nesse diagnóstico, especialmente exames de imagem como a ultrassonografia e a tomografia do abdômen. 

Exames de sangue podem dar alguns indícios como altas concentrações de cálcio, lipídios e glóbulos vermelhos (eritrócitos) ou baixas concentrações de glicose. 

Há também a arteriografia que é feita com um cateter introduzido na artéria femoral até o fígado, e que também pode servir como terapia, uma vez que é possível inserir agentes quimioterápicos diretamente no tumor. 

A biópsia, que é a retirada de um pequeno pedaço do órgão por meio de uma agulha, é o procedimento que garante o diagnóstico mais preciso, mas traz alguns riscos.

Como é feito o tratamento?

A retirada cirúrgica do tumor (hepatectomia) é o tratamento mais adequado na maioria dos casos quando é possível que se extraia uma parte do órgão sem comprometer seu funcionamento. Não sendo possível, a alternativa é o transplante de fígado. 

Se nenhum dos métodos for possível o paciente pode ser submetido a uma alcoolização, que consiste na injeção de álcool absoluto (com 100% de pureza) diretamente no tumor visando sua remissão, a uma oblação, que é o bombardeamento do tumor com ondas elétricas que elevam sua temperatura e dificultam seu crescimento ou a uma criocirurgia que é o congelamento das células cancerosas. 

Radioterapia, que é o tratamento com radiação aplicada diretamente sobre o tumor, tem efeito limitado, mas também pode ser uma alternativa dependendo do caso. 

Casos avançados podem se beneficiar da terapia antiangiogênica, que é o interrompimento do fornecimento de sangue para o tumor por meio de drogas quimioterápicas que inibem a formação de novos vasos sanguíneos. 

A escolha do tratamento ideal para combater um hepatocarcinoma é feita em conjunto com o médico que analisará o histórico do paciente, considerando sua idade, o estágio da doença e sua condição clínica. 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp