doença de Crohn

Doença de Crohn tem cura?

Estima-se que existam mais de dez milhões de pessoas no mundo diagnosticadas com alguma doença inflamatória intestinal (DII), como é o caso da Doença de Crohn. Quando não tratada, produz sintomas que podem impactar consideravelmente na qualidade de vida dos pacientes.

Você já ouviu falar nessa patologia? Sabe se pode ou não ser curada? Caso não, recomendamos a leitura deste post. A seguir, explicaremos os principais pontos a respeito do tema.

O que é a doença de Crohn?

Trata-se de uma doença inflamatória que atinge a parte inferior do intestino delgado, do intestino grosso ou de ambos, além de acometer a qualquer órgão do sistema digestivo, desde a boca até o ânus. A única região que não é afetada pela doença é o reto.

Ainda, a patologia é mais comum entre pessoas com idade entre 20 a 40 anos, especialmente os fumantes. As inflamações provocadas pela doença de Crohn são invasivas e podem atingir tanto a parte superficial dos intestinos quanto as camadas da parede intestinal. 

Como é causada?

As causas da doença de Crohn ainda não estão totalmente esclarecidas. Apesar disso, acredita-se que há uma desregulação do sistema imunológico dos pacientes, de modo que o intestino apresenta uma reação exagerada à presença de um agente ambiental, infeccioso ou alimentar.

Além disso, acredita-se que haja uma forte relação com fatores ambientais. Ou seja, a alimentação, o estresse e o uso contínuo de anti-inflamatórios estão associados ao agravamento dessa inflamação.

Quais são os sintomas?

Os sintomas da doença de Crohn variam conforme o grau de evolução da doença. Quando são leves ou moderados, o paciente pode apresentar diarreia frequente e dor abdominal, sem desidratação, febre ou perda de peso.

Ademais, mesmo com a realização de determinados tratamentos, a patologia pode evoluir e se tornar um quadro grave. Com isso, o paciente manifesta febre, dor abdominal, náusea, vômitos intermitentes ou anemia e perda de peso.

Além disso, a doença de Crohn também pode alcançar o estágio fulminante, que é o mais perigoso. Nesses casos, a sintomatologia padrão costuma envolver febre alta, vômitos contínuos, obstrução intestinal ou abscesso e uma acentuada perda de peso.

Em situações menos frequentes, pode ocasionar:

  • dores articulares;
  • hemorroidas;
  • fissuras;
  • fístulas e abscessos no ânus;
  • artrite;
  • aftas;
  • inflamações nos olhos;
  • distúrbios na pele;
  • atraso no crescimento em crianças.

Quais os tratamentos mais indicados para doença de Crohn?

A doença de Crohn não é passível de cura, mas pode ser tratada de maneira que os sintomas sejam controlados e o paciente tenha uma melhor qualidade de vida. Neste sentido, o tratamento mais eficaz é o uso de medicamentos.

Ainda, esses fármacos contribuem para a redução da inflamação e amenizam os sintomas. Porém, pode ser necessário realizar a cirurgia em algum momento. O procedimento visa promover o alívio prolongado a partir da extração de zonas do intestino.

Mesmo nesses casos, o uso de medicamentos continua sendo necessário para controlar a doença, reduzir a inflamação e a atividade do sistema imunológico. Além disso, o tratamento medicamentoso é individualizado, a partir dos efeitos que provoca em cada paciente.

Ademais, como não pode ser curada, essa DII exige acompanhamento médico periódico, manutenção de medicamentos, adoção a regimes alimentares e abstenção do tabaco. Com isso, é possível conviver com ela e levar uma vida com qualidade.

Enfim, a doença de Crohn é uma patologia grave e que exige tratamento imediato. Caso contrário pode causar uma série de complicações. Por isso, se você sofre com algum sintoma de inflamação intestinal, procure um médico para ser avaliado.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp