cirurgia bariátrica

Obesidade: quando a cirurgia bariátrica é indicada?

Quando falamos sobre cirurgia bariátrica, nós nos referimos a uma série de técnicas aplicadas para a redução de estômago, com foco no tratamento da obesidade. Geralmente, esse procedimento é feito nos casos em que a prática de atividades físicas e orientações nutricionais já não produzem efeito algum para a redução de peso do paciente. Segundo dados do Ministério da Saúde, a obesidade cresceu 60%, em 10 anos no Brasil. Essa é uma das condições de saúde que mais predominam no século 21, sendo considerada uma pandemia moderna. De acordo com especialistas, mesmo considerando a presença do fator genético, esse aumento também tem relação direta com os hábitos poucos saudáveis praticados pelas pessoas, em um ritmo cada vez maior. Dentre eles, o sedentarismo e a alimentação desequilibrada são os que mais se destacam.

Quando a cirurgia bariátrica é recomendada para tratamento da obesidade?

Essa técnica é considerada uma alternativa muito eficiente no combate ao excesso de peso e, por consequência, às doenças que tenham origem ou que possam ser agravadas em decorrência dessa condição. Essa intervenção é indicada quando o paciente apresenta obesidade mórbida, situação em que o IMC é superior a 40 kg/m2. Também é recomendada quando o IMC é superior a 35 kg/m2 em pessoa portadora de outras doenças, como as cardiovasculares,  a colecistopatia calculosa, as hérnias de disco, a osteoartrose, a asma grave, a hipertensão, a diabetes e o refluxo gastroesofágico, dentre outras. Como apontamos no início, existem várias técnicas destinadas à realização desse procedimento, mas que são recomendadas apenas para o caso dos pacientes que não conseguiram resultados positivos por meio do tratamento nutricional e clínico por um período de, no mínimo, 2 anos antes da cirurgia. De qualquer maneira, é o médico especialista no aparelho digestivo o profissional mais indicado para orientar sobre esses aspectos. Após a realização do procedimento, os pacientes precisam ter acompanhamento regular por meio de consultas com o médico e o nutricionista, bem como de exames laboratoriais, com a finalidade de detectar, ainda no início, qualquer tipo de alteração nutricional ou metabólica. Por outro lado, todos precisam de suplementos diários de polivitamínicos, especialmente as vitaminas do complexo B, o zinco, a vitamina D, o cálcio e o ferro. Lembrando que os limites clínicos são respeitados conforme a idade do paciente. Isso quer dizer que a cirurgia bariátrica para combate à obesidade não é realizada antes que as epífises de crescimento tenham se consolidado — antes dos 16 anos. A mesma atenção clínica é direcionada para os pacientes acima dos 65 anos. Nessa situação, a avaliação precisa ser individualizada, ocasião em que é considerada uma série fatores, tais como benefícios, riscos, expectativa de vida e existência de doenças relacionadas. Como efeitos imediatos, é possível perceber uma efetiva melhora na ocorrência dos problemas respiratórios, assim como nos articulares, ortopédicos e cardíacos. Além disso, há a redução da glicemia nas pessoas que são portadoras de diabetes, a estabilização da pressão arterial e a redução dos níveis de triglicérides e colesterol. É interessante observar que, em determinados casos, as mudanças pelas quais os pacientes passam são tão significativas que aqueles que sofrem com hipertensão ou diabetes, por exemplo, podem até se ver livres dos medicamentos que foram obrigados a usar por anos seguidos. Tudo graças a essa técnica de tratamento da obesidade. Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp