4 hábitos que devem ser adotados após a realização da cirurgia bariátrica

A obesidade é uma epidemia séria, que atinge 20% da população brasileira. Para muitos, a saída para resolver o problema acaba sendo a cirurgia bariátrica. Dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM) apontam que a realização desse procedimento no país cresceu quase 47% entre os anos 2012 e 2017.

Desse contingente, um percentual significativo precisa retornar à mesa de cirurgia, porque, entre outras coisas, não adotou hábitos essenciais após a primeira operação. Sem seguir à risca todas as recomendações pós-cirúrgicas, a possibilidade de complicações aumenta.

Neste post, veremos 4 hábitos que devem ser incluídos após a cirurgia. Confira!

1. Ter acompanhamento multidisciplinar

Nutricionista, fisioterapeuta, educador físico, cardiologista, psicólogo e endócrino são alguns profissionais que compõem o time que acompanha os pacientes após a cirurgia bariátrica.

Eles trabalham de maneira multidisciplinar. Enquanto um estabelece a melhor dieta, outro estipula um plano de atividade física, ao passo que o próximo acompanha a saúde psicológica, ajudando o paciente a elaborar a nova fase da vida e, assim, sucessivamente.

2. Ficar parado? Nem pensar!

Os pacientes precisam começar a se mexer ainda no hospital. Nas primeiras semanas, é indicado caminhar meia hora, sendo que, à medida que o corpo se fortalece, a intensidade e a força aumentam. Inatividade pode desencadear, principalmente, trombose venosa.

3. Fazer uso de suplementação

É comum a necessidade de suplementação para a reposição de nutrientes, principalmente, ferro, vitaminas do complexo B, D3 e ácido fólico. Portanto, é necessário que o médico indique quais serão ideais em cada caso.

4. Ser paciente ao introduzir alimentação correta

Uma coisa que é indispensável após o procedimento é, sem dúvida, paciência, sobretudo no que diz respeito à alimentação.

A dieta é dividida em várias etapas: na primeira fase, é líquida e restrita; depois, conforme adaptação, passa a ser apenas líquida. Na terceira semana, é pastosa, passando pela dieta branda até, enfim, chegar ao consumo “normal” de alimentos.

Nesse processo, a falta de paciência é natural, já que o indivíduo está em um momento de transição, adaptando-se a um novo estilo de vida. É difícil, principalmente, quando a pessoa, antes do procedimento, não seguia hábitos de vida saudáveis. Portanto, se antes o consumo de salada era “opcional”, agora é obrigatório!

E por falar em paciência…

A figura do psicólogo é estratégica e crucial na fase de adaptação (antes e depois) do paciente. Muitas pessoas, ao se verem em um novo corpo, passam por crises de identidade, outras sofrem com recaídas e acabam voltando a abraçar hábitos antigos, como o consumo de bebida alcoólica. Tudo passa pelo estado psicológico.

Um dos fatores que levam à obesidade é justamente a saúde mental. Quem tem depressão, compulsão alimentar e/ou ansiedade, por exemplo, está mais suscetível ao ganho de peso, consequentemente, a passar por uma cirurgia bariátrica. Logo, o novo corpo, que abriga um estômago menor, precisa estar em sincronia com uma nova mentalidade.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

Comentários
Dr. Rodrigo Gui Queiroz

Posted by Dr. Rodrigo Gui Queiroz