cirurgia bariátrica

A importância do acompanhamento psicológico após a realização da cirurgia bariátrica

Entre 2011 e 2018 foram realizadas quase 64 mil operações de redução de estômago no Brasil. Isso quer dizer que a procura pela cirurgia bariátrica cresceu 84,73%, segundo informações da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Vale ressaltar que a última Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) apontou que 41,6 milhões de brasileiros estão acima do peso e que 13,6 milhões estão obesos. Logo, esse cenário contribui para que mais pessoas busquem a intervenção cirúrgica como forma de perder peso rapidamente. Apesar de as metodologias atuais mostrarem resultados significativos, ressaltamos que esse procedimento não mexe apenas com o corpo, mas também com a mente do paciente. Por isso é fundamental que os interessados nesse tipo de intervenção busquem ajuda psicológica, sobretudo no pós-operatório. Neste artigo explicamos o porquê disso. Confira!

Qual é o papel do psicólogo nesse processo de readequação?

O processo que envolve uma cirurgia bariátrica é multidisciplinar, então, além do cirurgião, o paciente contará com uma equipe diversificada, sendo o psicólogo um dos integrantes. Portanto a missão desse profissional é minimizar ao máximo as adversidades, facilitando a adaptação da pessoa operada. Por exemplo, em alguns casos, o paciente precisará de ajuda para recompor sua nova imagem corporal e é exatamente aí que o acompanhamento psicológico entra em cena para auxiliá-lo. Isso quer dizer que o psicólogo o ajudará a lidar com as vantagens, desvantagens e consequências desse tipo de mudança, uma vez que as transformações também implicam medo, angústia, estresse e expectativa.

Por que o acompanhamento psicológico é importante?

Primeiramente, na maioria dos casos, o emagrecimento não está apenas relacionado à perda de peso. Para o paciente, isso também representa uma mudança no estilo de vida, que implica estética, mas vai além disso. Afinal a mudança exige uma ressignificação da própria pessoa. Por isso, mesmo que o emagrecimento solucione a maior parte dos problemas, destacamos que alguns pacientes podem ter dificuldades de reorganização de imagem durante a transformação do corpo. Além disso, eles também terão que lidar com outros desafios, que o pós operatório apresentam, como, o excesso de pele que acaba ficando após a realização do procedimento. Isso quer dizer que quanto mais peso eles perderem, consequentemente, maior também será a quantidade de pele que tomará conta do corpo deles. Ou seja, eles poderão sair de um transtorno estético para cair em outro, por exemplo.

Como a família pode ajudar?

Assim como o suporte psicológico é importante, o auxílio da família contribui potencialmente na fase de reorganização de imagem, visto que o apoio prestado pelos familiares contribui no sentido de deixá-los menos ansiosos, estressados, preocupados, insatisfeitos. Mas não para por aí, porque os membros da família também desempenham o papel de encorajá-los a cumprir toda a prescrição médica no pós-operatório da cirurgia bariátrica. Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp